Notícia da Região
BEBEDOURO/SP - Mulher morre sem ar, pedindo ajuda dentro do hospital
Postado em 30/07/2022

BEBEDOURO/SP - Mulher morre sem ar, pedindo ajuda dentro do hospital

BEBEDOURO/SP - Mulher morre sem ar, pedindo ajuda dentro do hospital
 
Editorial Elen Barca
Mulher morre sem ar, pedindo ajuda dentro do hospital
Por mais que estejamos calejados de tanto sofrimento e notícias tristes, sempre há um jeito de ficarmos chocados com algo mais terrível ainda. O primeiro convite que nós fazemos é para, por um minuto que seja, se por no lugar da jovem Alecssandra, que hoje deu uma entrevista no jornal 1ª Hora da Nova FM falando sobre a morte da mãe no hospital ontem.
A mãe com pressão alta fez tudo que manda o protocolo de atendimento na saúde. Foi ao Posto de saúde do Itália. Cadê o médico? Não tinha. A enfermeira aferiu a pressão da mãe estava 24! Ciente da gravidade recomendou: corre para o hospital, rápido, sabia que havia o risco de um AVC.
No hospital apesar de prioritário o atendimento foi básico, segundo relato da filha. Remedinho em baixo da língua e espera lá fora. Não melhorou, pediu socorro, avisou que não estava conseguindo respirar e como era obesa houve grande dificuldade de chegar rápido até o consultório.
Não foi atendida, o médico estava ocupado. A filha que é enfermeira ficou desesperada e foi até a sala de descanso da outra médica, bateu com força, gritou, implorou por ajuda, afinal era um caso de vida ou morte. A médica não curtiu ser incomodada, teria sido ríspida e lentamente se encaminhou até o local onde estava a mãe da jovem. Já era tarde, segundo Alecssandra, a mãe estava caída no chão, com a língua pra fora e roxa.
 
Pediram para que ela saísse e só horas depois ficou sabendo que a mãe havia morrido. Rosemeire tinha 49 anos, estava dentro do local que se chama Pronto Socorro e não foi colocada em observação, não recebeu oxigênio e morreu sem conseguir respirar, pedindo ajuda, avisando o que estava acontecendo e pedindo para não a deixarela morrer. Mas, deixaram!
Ela tinha planos, ontem era dia de aniversário do filho que não pode receber nem o abraço da mãe de presente, ela se foi.
Nada que for feito agora poderá devolver a alegria dessa família. Ela não vai voltar, mas o jeito que morreu não será esquecido, pois representa exatamente a postura dessa administração quando o assunto é saúde. Descaso, incompetência, insensibilidade!
Quando alertávamos que as pessoas estavam morrendo as mínguas, falavam em exagero, pegação no pé, mesmo apenas falando em nome de pessoas que nos procuram para reclamar, denunciar e pedir ajuda.
Já teve gente dizendo: ihhh não vai virar nada! Talvez por essa cultura que temos de aceitar tudo e nos resignarmos na condição de coitadinho, pobre, oprimido e desassistido, sem nada poder fazer. Mas, ninguém pode fazer nada por essas pessoas?
Nessa hora perguntamos: Cadê as entidades? A OAB, a polícia, o ministério público, as ONGs, os conselhos, os vereadores!!!
Até quando isso vai?
A UPA recebe mais de R$ 1 milhão e 500 reais por mês. Os profissionais estão sobrecarregados, reclamando perseguição, médicos novos, inexperientes e alguns não comprometidos com a promessa que fez no dia da diplomação, de SALVAR VIDAS, afinal mais que a vida o descanso é sagrado né doutora?!
Não, as coisas não são como na série da globo, Plantão 24 horas. Os médicos não têm mostrado tanto interesse pela vida, fazendo até gambiarras para isso, talvez até por falta de conhecimento. Enquanto isso as cobaias morrem! As pessoas ficam tristes na hora e depois é vida que segue, afinal não podem fazer nada!
Enquanto não houver um levante, uma ação, enquanto as pessoas não saírem de trás do celular onde são leões e deixar de se portar como vira-latas com rabo entre as pernas no Téte a Téte, vamos apenas somando as vitimas dessa má gestão! E enquanto isso o prefeito vendendo seu candidato no SBT, afinal isso é prioridade!

.
.



Jornal Cidades ⓒ Copyright 2022