Notícia de Jaboticabal
Falta de investimentos nos últimos anos, ETA inaugurada no ano passado já apresenta problemas
Postado em 18/07/2021

Falta de investimentos nos últimos anos, ETA inaugurada no ano passado já apresenta problemas

Falta de investimentos nos últimos anos, ETA inaugurada no ano passado já apresenta problemas e crise hídrica: presidente do SAAEJ fala da falta de água no município
 
O presidente do SAAEJ – Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Jaboticabal, Prof. João Galbiatti comentou neste sábado, 17 de julho, sobre a falta de água em parte da cidade. Segundo ele, a falta de investimentos nos últimos anos em infraestrutura e abertura de poços profundos, aliado a problemas na ETA – Estação de Tratamento de Água inaugurada em 2020 e a baixa capacidade de fornecimento de água nos poços em virtude da falta de chuvas resultam nas dificuldades enfrentadas neste momento.
 
“Temos uma infraestrutura que, ao longo dos últimos 20 anos, só foi explorada e não foram feitos investimentos. Nós conseguimos recuperar o Córrego Rico com uma manta plástica, detemos a água e elevamos, assim, o nível do córrego. Entretanto, a nova ETA não suporta aumento de vazão que o rio permite. Estamos tratando cerca de 700m³ por hora, sendo que poderíamos captar 1.000m³. A nova ETA, por ser compacta, não suporta o aumento de vazão. Essa diferença é um volume muito grande”, explicou o presidente.
 
Segundo ele, quando é necessário a limpeza dos filtros da nova ETA, gasta-se muita água, que acaba sendo perdida. “Quando essa estação foi projetada, não pensaram no aumento da quantidade de água e nem reformaram a captação. Essa ETA, quando recebe uma pressão maior, forma bolhas de ar, que acabam elevando a sujeira da água ao invés de decantá-la. Isso faz com que precisamos parar o abastecimento com maior frequência para a limpeza, além da possibilidade de danificar nossos filtros”, emendou Galbiatti.
Quanto aos poços profundos, o presidente afirmou que o poço da Rodoviária está baixo em virtude da seca. O local capta em torno de 200m³ por hora, mas tem captado por volta de 120m³. “O lençol subterrâneo, no Aquifero Guarani, rebaixou por conta da falta de chuvas. Já a Estiva, próxima ao Recreio dos Bandeirantes, é o mesmo caso e rebaixo em virtude da seca”.
*E qual a solução dos problemas?*
O SAAEJ tem realizado duas ações para resolver o problema no abastecimento de água. Um deles, segundo o presidente, é a setorização. Hoje, a autarquia não consegue “compensar” um bairro que está com falta de água com outro que está com o abastecimento normalizado. “Nessa setorização poderemos movimentar a água na cidade. Tem bairros que nunca falta água e outros bairros, até vizinhos, faltam. Ao longo do tempo foram interligando sem planejamento”.
Além da setorização, o SAAEJ trabalha também na perfuração de poços profundos. Recentemente, a autarquia recebeu uma equipe do DAEE – Departamento de Água e Energia do Estado de São Paulo, que deu o start para a elaboração dos projetos. “Vale lembrar que tudo é burocrático no sistema público e estamos na frente da autarquia há menos de sete meses. Isso não é desculpa, mas vale lembrarmos da situação que encontramos o SAAEJ e todos os trabalhos que precisamos realizar para qualificar a autarquia. Os poços serão fundamentais para o abastecimento em Jaboticabal”, concluiu o presidente.
O SAAEJ e a Prefeitura de Jaboticabal pede desculpas pela falta de abastecimento em parte da cidade, mas reforça, como apresentado, que os trabalhos estão sendo realizados para a definitiva solução do problema o mais rápido possível.

.
.



Jornal Cidades ⓒ Copyright 2020