JS Alimentação é alvo de operação ‘Loki’ do GAECO

JS Alimentação é alvo de operação ‘Loki’ do GAECO

A empresa JS ALIMENTAÇÃO que presta serviços para as prefeituras de Matão e Orlândia no preparo, fornecimento e distribuição de alimentação escolar, foi alvo da “Operação Loki” deflagrada pelo GAECO – Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) e da Polícia Militar que cumpriram 115 mandados de busca na manhã da última segunda-feira (16) em 11 cidades paulistas.

Segundo o promotor de justiça Drº Cláudio Escavassini, que atua nas investigações junto ao GAECO, existem documentos que comprovariam irregularidades na contratação da empresa por meio de direcionamento da licitação, além de superfaturamento na efetiva quantidade de refeições servidas diferente da quantidade cobrada pela empresa na cidade de Orlândia: “Existem documentos que indicam contato de agentes públicos com a própria sócia da empresa JS Alimentação, responsável pelo fornecimento de merenda, houve ainda por parte de uma funcionária do próprio município, atestando que havia sido fornecido aproximadamente 90 mil refeições, quando na verdade a empresa cobrava 132 mil refeições” cita o Promotor.

Segundo o promotor de justiça Drº Rafael Piola que também atua no GAECO e nas investigações, os indícios iniciais de irregularidades eram muito fortes e que a partir dai foi necessária a busca e apreensão de documentos: “Nós detectamos dezenas de procedimentos fraudulentos, e a partir dai nós precisávamos de uma busca simultânea nos empresários que participaram tanto os vencedores quanto aqueles que apenas participaram para dar uma aparência de legalidade” cita o promotor.

As buscas acontecerem em diversas cidades do estado, inclusive em Caraguatatuba no litoral norte do estado onde foram realizadas buscas e apreensões de documentos, celulares e computadores na residência dos sócios e também na sede empresa JS Alimentação. Segundo os promotores do GAECO, todos os materiais apreendidos na operação vão passar por uma minuciosa avaliação e não esta descartada o desdobramento das investigações em outras cidades, inclusive Matão onde a empresa também atua.

Em nota, o Gaeco informou que a investigação identificou fraudes em ao menos 23 licitações e superfaturamento de contratos que somam R$ 14 milhões somente na prefeitura de Orlândia.

O comunicado do Gaeco esclarece que os documentos apreendidos serão analisados para “delimitar a participação de cada um dos integrantes da organização criminosa”. São investigados crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, cartel e falsificação de documentos.

Ainda de acordo com o Ministério Público, o nome da operação é uma referência ao deus da mitologia nórdica Loki, “conhecido como o pai da mentira, da trapaça, da farsa”.

Em nota a empresa JS Alimentação, negou qualquer ato ilícito e disse ser alvo de perseguição.

Autor: Alexandre De Cinque (com informações do Jornal da Clube/Portal G1)