Empresas criam alternativas para prevenir a dengue

Empresas criam alternativas para prevenir a dengue

Empresas criam alternativas para prevenir a dengue

Entre as dicas, piscinas de casas de férias sem o tratamento adequado precisam de atenção redobrada. Já as lavanderias apresentam como alternativa biorepelente para peças de roupas

O número de casos de dengue em todo o Brasil já é cinco vezes maior que no ano passado. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2019 foram registrados 675.174 casos prováveis de dengue. Em 2018, o número era de 134.048 no mesmo período.

Casas de férias com piscinas e sem o tratamento adequado podem virar criadouros do mosquito transmissor da dengue. Por essa razão, a iGUi – maior fabricante de piscinas do mundo em PRFV (poliéster reforçado com fibra de vidro) – orienta aos proprietários para os cuidados, principalmente na época de frio. “A manutenção das piscinas é uma tarefa que requer muita disciplina e cuidado. Tratar a água com os produtos químicos adequados controla, inclusive, os mosquitos propagadores da dengue. Porém, piscinas desassistidas ou que não contam com o tratamento adequado, podem ser berço de doenças”, explica Filipe Sisson, CEO da iGUi.

Ainda segundo Sisson, a tecnologia é uma grande aliada dos clientes iGUi e, por essa razão, a rede tem criado constantes soluções que visam a facilitar o dia a dia do proprietário de uma piscina. “A iGUi possui um sistema inteligente de ‘desinfecção’ de piscinas. Conhecido no mercado como ‘Clorador’, esse equipamento transforma o sal da água sem iodo em um bactericida orgânico, que substitui o cloro – nocivo à saúde – ou qualquer outro produto químico, tratando a água, o que permite o controle de larvas. As casas desassistidas, por exemplo, são os grandes criadouros de dengue. O equipamento de filtragem iGUi é muito eficiente, especialmente nos casos em que o dono está à distância, pois, ele programa a limpeza e o tratamento da água automaticamente e faz com que ela retorne à piscina de forma adequada,” explica.

Lavanderias investem em inovações

O que muitos desconhecem é que 40% das picadas de insetos acontecem sobre as roupas. Visando auxiliar na redução de riscos da picada do mosquito da dengue, a rede de lavanderias 5àsec passa a oferecer um serviço que emprega um biorepelente nas fibras dos tecidos, repelindo até 30 tipos de parasitas e insetos por até 20 limpezas. Ou seja, a novidade é eficaz contra insetos vetores de doenças, como: dengue, malária, leishmaniose, febre amarela, Chikungunya, zika vírus, Guillain-Barré, dentre outras.

A marca decidiu investir em soluções inovadoras que garantem a proteção tanto da casa quanto da família como um todo. “Moramos em um País tropical e em quase todas as regiões brasileiras temos que lidar diariamente com a presença, muitas vezes desagradável, de insetos. O que muitos desconhecem é que 40% das picadas de insetos acontecem sobre as roupas. Visando resolver esta questão, as lojas da rede passam a oferecer um serviço que emprega um biorepelente nas fibras dos tecidos repelindo até 30 tipos de parasitas”, explica o diretor comercial da 5àsec, Alex Quezada.

O biorepelente utilizado é à base de água, não agride a natureza, é inofensivo à saúde e ao meio ambiente, além de contar com uma aplicação duradoura. Tem uma formulação que não provoca alergias e não contém solventes orgânicos. Dessa forma, tem a eficácia comprovada por médicos no combate a: Aedes Aegypt, muriçocas, borrachudos, carunchos, moscas e mosquitos, mosquito prego, tsé-tsé, baratas de cozinha e de esgoto, piolhos, pulgas, formigas, percevejos, ácaros, traças, carrapatos, aranha e cupins. Também é eficaz contra insetos vetores de doenças, como: dengue, malária, leishmaniose, febre amarela, Chikungunya, zika vírus, Guillain-Barré, dentre outras. A novidade foi dermatologicamente testada, sendo inofensiva para a saúde de crianças, adultos, gestantes e animais, pois age exclusivamente nas fibras dos tecidos, não migrando para a pele.

“O grande diferencial é que os inseticidas comuns são usados para borrifar no ar, têm um efeito de, no máximo, quatro horas após a aplicação e você acaba inalando-o durante o uso se permanecer no ambiente. Quando este tipo de serviço for contratado em nossas lavanderias, o biorepelente será aplicado apenas em tecidos, permanecendo nas fibras por até 20 limpezas e sem entrar em contato com a atmosfera, não causando possíveis intoxicações. Pode ser aplicado em uma variedade de tecidos, não sendo indicado apenas para o couro, pois não é poroso e o fixador não penetra, e a camurça, pois pode manchar a peça”, revela Quezada.