Paróquia São Benedito realiza Missa Campal em frente ao HMSI

Paróquia São Benedito realiza Missa Campal em frente ao HMSI

Paróquia São Benedito realiza Missa Campal em frente ao HMSI

No dia 17 de novembro, sábado, o Hospital e Maternidade Santa Isabel recebe uma missa campal da Paróquia São Benedito em frente à sua sede. A missa é realizada anualmente em homenagem à Santa Isabel da Hungria, e pela primeira vez acontecerá fora da sede da igreja.

O evento terá início às 18 horas, à Rua Marechal Floriano Peixoto, 1.387, em frente à entrada principal do HMSI, onde será montado um palco. A missa, aberta a toda a população, será comandada pelo Padre Paulinho, da Paróquia São Benedito. Após sua realização, haverá a venda de quibe e cachorro-quente, e a renda será destinada ao Hospital e Maternidade Santa Isabel.

Quem foi Santa Isabel da Hungria

Santa Isabel da Hungria foi uma princesa do início do século XIII que praticava obras de misericórdia, dava de beber e de comer a quem batia à sua porta, distribuía roupas, pagava as dívidas, cuidava dos doentes e sepultava os mortos.

Após a morte de seu marido, o rei Ludovico, a jovem viúva foi expulsa com seus três filhos do reino da Turíngia (região atualmente pertencente à Alemanha) e passou a peregrinar por povoados, trabalhando onde era acolhida, assistindo os doentes, fiando e costurando.

Durante esse período, ela teve seu nome reabilitado por parentes e amigos e pôde retirar-se para o castelo da família em Marburgo. Construiu depois um hospital para leprosos. Viveu os três últimos anos de vida no hospital cuidando dos doentes e acompanhando o término da vida dos moribundos, fazendo trabalhos humildes e repugnantes. Ela faleceu em 17 de novembro de 1231.

Diz-se que no dia de sua morte, um irmão leigo tinha quebrado um braço em um acidente e sofria na cama com dores. Então, Santa Isabel lhe apareceu com vestidos radiantes e o irmão lhe perguntou por que estava vestida tão formosamente. Ela respondeu: “É que vou para a glória. Acabo de morrer para a terra. Estique seu braço porque foi curado”.

Dois dias depois do enterro, um monge cisterciense foi ao túmulo de Santa Isabel e ajoelhou-se para pedir à santa que intercedesse para se curar de uma terrível dor no coração. De uma hora para outra, conta-se que ficou completamente curado de sua doença.