Como discutir política de forma saudável

Como discutir política de forma saudável

Como discutir política de forma saudável
A política está presente em boa parte dos aspectos que rondam nossa vida. Por isso, é mais do que necessário nos falarmos sobre ela dentro e fora do período eleitoral. Houve uma época em que discutir esse assunto era um grande tabu, e era muito comum ouvir aquela frase “futebol, política e religião não se discutem”.

Se preferir, ouça nosso episódio de podcast sobre esse assunto!

Hoje, mais do que necessário, falar de política tem sido frequente no nosso dia a dia. No trabalho, no ônibus, nas reuniões de amigos e familiares, durante o happy hour. Nós do Politize! amamos falar sobre a importância de debater política, mas também sabemos que conforme essa prática vai ficando mais frequente, também vão surgindo situações um tanto complicadas sobre ela, já que, muitas vezes, a conversa segue um caminho não muito saudável.

Não queremos que todos esses obstáculos a um debate saudável desmotive você a falar sobre política no momento em que isso é mais importante: as eleições. Vamos ver porquê.

POR QUE DEBATER POLÍTICA NAS ELEIÇÕES?
O resultado das eleições perpassa toda a nossa vida nos anos seguintes a ela. Parece exagero que os 45 dias de campanha possam moldar o nosso futuro durante tanto tempo, mas não é. A qualidade dos candidatos eleitos reflete diretamente na qualidade da administração pública, da transparência e da participação política. Portanto, discutir política nesses 45 dias é mais do que fundamental para garantirmos uma vida de qualidade para todos.

É ao falar de política com nossos amigos, familiares ou colegas de trabalho que podemos exercer nosso papel de cidadão ao conscientizar outras pessoas sobre a importância do voto consciente.

Infelizmente, muitas pessoas podem dar as costas à política durante a maior parte do tempo, mas é nas eleições que elas se mostram mais abertas a esse tipo de debate. Por isso, precisamos aproveitar tal janela de oportunidade para conscientizar o maior número de pessoas.

Aproveite as eleições para fazer a sua parte: por que não convidar seus amigos para um jantar e apresentar a eles os caminhos para um voto de qualidade? Que tal aproveitar as reuniões de família para mostrar para aquele tio que adora falar sobre política quais são os requisitos de um bom candidato? Podem parecer ações muito simples, mas elas têm potencial de gerar consequências bastante positivas para a nossa política.

Por melhor que seja nossa intenção, quando se trata de política a conversa pode seguir um rumo que não queremos nem de longe. Considerando isso, e para que você possa exercer sua parte levando às pessoas conhecimento sobre o voto consciente nessas eleições, vamos aprender o que fazer e não fazer nesse tipo de debate.

Antes, vamos analisar alguns cenários. Em quais das seguintes situações você já se viu por causa da política?

Brigar com a família por causa de política
Imagine a seguinte situação: você está em um jantar de família, todos os seus tios, tias, primos e primas se reúnem após um longo tempo sem se encontrarem. As conversas são intensas, sobre os mais variados assuntos. Até que alguém faz um comentário que você julga equivocado, um ponto de vista totalmente oposto de tudo aquilo que você acredita. O que você faz nesse momento?

Atire a primeira pedra quem nunca entrou em uma discussão calorosa com um membro da família, chegando até a ficar brigado com aquela pessoa por um breve período. Atire a primeira pedra ainda quem nunca fez isso por causa de política. O que as brigas com a nossa família por causa da política têm a nos ensinar é: saber avaliar quando vale a pena entrar em uma discussão.

Existe uma série de fatores que qualificam o que é um bom debate político. Quando esses fatores não estão presentes, você deve saber perceber que não vale a pena se envolver na discussão, pois será fácil ela virar uma grande briga. De quais fatores eu estou falando? É o que veremos a seguir.

Discutir política no trabalho
Você está no trabalho e seus colegas começam a falar sobre política. Você, como entusiasta do assunto, logo participa da conversa. A partir de um certo momento, você já não está mais prestando atenção nos argumentos dos colegas que pensam diferente de você, apenas aguarda que eles terminem de falar para começar a sua fala, às vezes nem espera o outro terminar. Os erros que você está cometendo nessa situação são os primeiros a serem evitados em um bom debate.

É simples: não saber ouvir os argumentos contrários. As discussões políticas devem ser um meio de trocarmos informações às quais normalmente não temos acesso, principalmente pela “bolha social” em que estamos inseridos (quando temos acesso apenas a pessoas que pensam muito parecido conosco, o que é algo bastante comum nas redes sociais, por exemplo. Quantas pessoas você mantém na sua rede de contatos que pensam completamente o oposto?). É ao debater com outra pessoa, de realidade diferente da nossa, que temos a oportunidade de conhecer informações diferentes, que são muito válidas.

Por isso, aproveite a oportunidade para aprender algo com os argumentos opostos. Não é porque uma pessoa pensa diferente de você que ela está necessariamente errada. Aproveite a chance para ouvir argumentos contrários. Mesmo que para criticar, precisamos conhecer a fundo os fatos apresentados pelo outro lado.

Lembre-se também de ser educado durante a conversa. É bastante comum nos deixarmos influenciar pelas emoções do momento, o que nos leva ao uso de sarcasmo, interromper o outro com frequência ou falar alto.

O bom debate é aquele em que tanto você quanto os outros debatedores estão em busca de ouvir o outro e aprender algo com isso da forma mais educada possível. Do contrário, são apenas dois monólogos acontecendo ao mesmo tempo, não é mesmo? Se você perceber ao início de uma conversa sobre política que esse não é o seu caso ou o da outra pessoa envolvida, talvez não seja uma boa ideia participar.

Reforma Política: entenda o voto distrital

Discutir política no facebook
Em tempos de internet, discutir política através das redes sociais já virou um clássico. Quem nunca se deixou levar por um debate no Facebook? Talvez você já esteja cansado de saber os problemas que aparecem em uma discussão de Facebook, mas vamos relembrar aqui alguns deles.

O primeiro é a facilidade com que um debate sai dos trilhos e se torna uma troca de ofensas, principalmente pessoais. Esse é o primeiro sinal de que os argumentos de alguém já chegaram ao fim, por isso a pessoa passa a ofender gratuitamente quem está do outro lado. Por que será que fazemos isso?

As razões podem ser muitas, mas a principal delas é que o debate deixou de ser uma troca de ideias e virou uma competição. O importante da conversa passa a ser ganhar a qualquer custo, sair de lá se sentindo vitorioso por derrotar o outro.

Portanto, lembre-se sempre que o objetivo de um debate deve ser a troca de conhecimentos e experiências. No lugar de tentar convencer o outro debatedor a concordar com você, exerça sua empatia e tente compreender por quais motivos aquela pessoa pensa daquela forma, quais situações de vida a fizeram pensar daquela maneira. Com certeza você terá muito a aprender a partir disso.

Outra característica bastante frequente nos debates de internet é algo que a gente falou por aqui, as notícias falsas. É, infelizmente, bastante comum que pessoas apoiem seus argumentos em informações inverídicas ou incompletas. É por isso que antes de incluir uma informação em seus argumentos, você precisa seguir os princípios de fact checking e comprovar a confiabilidade delas. Uma notícia verdadeira deixa seu argumento mais forte, enquanto uma Fake News coloca em cheque toda a sua credibilidade como debatedor.

Sabe como reconhecer uma notícia falsa? Leia: o mundo das fake news e da (des)informação

O QUE É UM BOM ARGUMENTO?
Por falar em argumentos fortes, existem alguns critérios imprescindíveis que caracterizam uma boa argumentação. O primeiro deles é nunca esquecer de fazer o dever de casa. Muitas vezes gostamos muito de um tema e fica difícil resistir a um debate sobre ele. Mas você tem certeza de que domina realmente o assunto?

1) Evite achismos e generalizações
Antes de falar sobre ele, tenha certeza de que pesquisou o suficiente, em diferentes fontes, todas elas bastante confiáveis. Se você consegue discutir a questão de forma aprofundada e sem recorrer a generalizações ou achismos, está no caminho correto. Caso contrário, pense duas vezes antes de se animar e participar da discussão. Não existe problema algum em assumir que não sabe o suficiente sobre um tema, todos nós precisamos aprender e às vezes isso leva tempo. Seja paciente!

2) Opinião não é argumento
Essa frase pode doer em muita gente, mas de fato opiniões não são argumentos, ainda que nossas crenças possam inferir sobre nossa argumentação.

Nossas opiniões são embasadas em vivências de vida, na forma com que enxergamos o mundo. O problema disso é que podemos esquecer que nem todo mundo vive como a gente. Temos acesso a uma visão bastante limitada da realidade e isso coloca em cheque o quanto sabemos de algo, quando não recorremos à ciência. Por isso, procure ler o maior número de estudos científicos sobre o tema em debate. Evite buscar respostas apenas na sua vivência, pois ela diz respeito somente à sua própria realidade e quase sempre carregada de muitas emoções.

E lembre-se, nunca tente mudar a opinião do outro. Você já viu, em um debate entre candidatos, algum deles mudando de opinião durante a conversa? Então não espere que o desfecho do seu debate seja necessariamente alguém mudando a forma com que pensa. Lembre que existem diversas razões para que alguém pense da forma que pensa. Se não somos capazes de entender quais são elas, cabe a cada um de nós ao menos respeitar, o famoso “concordar discordando”.

FONTE – http://www.politize.com.br/como-discutir-politica-de-forma-saudavel/

Editorial – Resolvi publicar este texto para que as pessoas reflitam sobre o que esta acontecendo. É apenas mais uma eleição. O mundo não vai acabar depois do dia 07 ou depois do segundo turno.  Tenho amigos eleitores do Bolsonaro e amigos eleitores do Haddad, do Alckmin, do Ciro, do Daciolo, da Marina, e até do Boulos. Respeito todos eles. A discussão por baixo do que acontece na politica, com agressões, xingamentos mostra o caráter de quem posta as coisas. Depois da eleição eleitos de partido a e b se sentam a mesa e negociam cargos, apoio e tudo mais . Assim funciona a politica e muitas vezes amigos perdem a amizade , discutem e até brigam por politica. Ninguém é racista, homofóbico ou nazista por votar em candidato A, ninguém é bandido por votar em candidato B. Ninguém é mais ou menos inteligente ou honesto por votar em A ou B. São escolhas, pontos de vista que devem ser respeitados. Analisem se compensa agredir verbalmente alguém por politica. Acho que todos tem defeitos e qualidades, basta apenas respeitar as opiniões.