• Home »
  • Noticias »
  • Na contramão da região, Pontal tem alta de 30% em geração de empregos
Na contramão da região, Pontal tem alta de 30% em geração de empregos

Na contramão da região, Pontal tem alta de 30% em geração de empregos

Em momento de recessão, município abriu 4.034 vagas em nove meses.
Safra eleva vagas nas usinas, mas efeito sazonal deve passar, diz Ceise Br.

Enquanto cidades da região têm amargado um ano de demissões, Pontal (SP) acumulou alta de 30% na geração de empregos entre janeiro e setembro em relação a 2014, segundo dados atualizados da variação absoluta de vagas do Ministério do Trabalho.
Com a safra da cana-de-açúcar em andamento desde o primeiro semestre, as usinas de etanol e açúcar da região movimentaram a maior parte das contratações registradas na indústria e na agropecuária.
Por outro lado, o Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis (Ceise Br) afirma que a margem positiva é sazonal e deve ser revertida com demissões no período da entressafra, no fim do ano.

Em um cenário de instabilidade, o município de 45,9 mil habitantes atingiu saldo de 4.034 postos com carteira assinada, diferente de Ribeirão e Sertãozinho que fecharam 5,9 mil vagas em nove meses.
O total supera o resultado do período correspondente em 2014, quando foram geradas 2.825 vagas.
A indústria foi o maior responsável por esse retrospecto, com mais da metade das vagas – 2.636. Estas foram possibilitadas pela demanda de contratações nas três usinas sucroenergéticas do município, diz o presidente do Ceise Br, Antonio Eduardo Tonielo Filho.
Diferentemente de Sertãozinho, onde a baixa nas metalúrgicas prejudicou o balanço industrial, em Pontal o segmento é movimentado exclusivamente pelas usinas, explica.
“Pontal contratou muito por causa da safra, são três usinas grandes. Pontal praticamente só tem usina e Sertãozinho não. Fora a usina, tem o maior polo de indústria de base voltada ao setor sucroenergético do mundo. O déficit que tivemos de mão de obra é muito maior”, afirma.
O representante do Ceise Br acredita que até o fim do ano os números locais tenham baixa em função da chegada da entressafra e do término das contratações. “Se você pegar a análise em dezembro, vai ser diferente, É meio ilusório falar. Se acabarem a safra em dezembro vai ter demissão, é natural”, diz.
Agropecuária
As mesmas usinas de Pontal ajudaram a movimentar o segmento de agropecuária, com 1.081 postos com carteira assinada abertos, diz o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Pontal, Ildeu Soares dos Santos.
Motoristas, operadores de colheitadeiras, mecânicos e colhedores são alguns dos postos demandados. Ele acredita que, mesmo com o término da safra, a fase de plantio mantenha os empregos do segmento em alta. “As empresas trabalham assim. Aqueles que estão trabalhando eles demitem e contratam outros no lugar. Por isso que vai mantendo esse volume de gente”, afirma.
Os números do Ministério do Trabalho e Emprego ainda mostram saldo positivo no setor de serviços – com 379 vagas criadas – e déficits no comércio e na construção civil – cada um com 31 postos encerrados em 2015.

Do G1 Ribeirão e Franca –