Vigilância lacra cadeia de Pradopolis e polícia reabre para receber detentos transferidos

Vigilância lacra cadeia de Pradopolis e polícia reabre para receber detentos transferidos

Prédio em Pradópolis não oferece segurança para abrigar homens, diz órgão.

A Cadeia Feminina de Pradópolis, que passou a abrigar detentos da Cadeia de Jaboticabal na quarta-feira (3), foi interditada no mesmo dia pela Vigilância Sanitária do município. Segundo a prefeitura, o local vistoriado após a transferência de 31 mulheres detentas não apresenta condições que preservem a dignidade humana.
Mesmo com a interdição, a Delegacia Seccional de Sertãozinho (SP) reabriu a unidade para receber os detentos transferidos da Cadeia de Jaboticabal (SP), lacrada na semana passada pela Justiça que considerou que o prédio não oferece segurança e é insalubre.
Segundo o delegado seccional Pláucio Fernandes, a polícia não teve outra alternativa porque a ação da Vigilância aconteceu durante o processo de transferência dos presos, sendo que não havia outra unidade para que eles fossem levados. Ainda segundo Fernandes, a interdição foi “arbitrária”, não tendo sido devidamente notificada à polícia.

A vistoria da Vigilância Sanitária foi realizada na quarta-feira depois que todas as 31 detentas da Cadeia de Pradópolis foram levadas para outras sete unidades da região.
De acordo com o assessor da Prefeitura de Pradópolis, Daniel Gutierrez, o trabalho feito faz parte da rotina do órgão, contudo foram constatadas várias irregularidades na unidade, como rachaduras, marcas de umidade e infiltração, e exposição de fiação elétrica, que levaram a interdição.
Segundo Gutierrez, os problemas de infraestrutura colocam em risco a própria segurança do município, uma vez que a cadeia não foi preparada para receber presos do sexo masculino e que o prédio está localizado na região central da cidade.
“Assim que entraram, a Vigilância observou que não existem condições da cadeia abrigar os presos, especificamente os masculinos, que, em tese, são mais violentos e difíceis de deter. Se acontece alguma coisa, a unidade está próxima de um centro médico, de um centro esportivo e de duas escolas”, afirmou.

Apesar da ação da Vigilância Sanitária, a Delegacia Seccional de Sertãozinho determinou que os lacres colocados na cadeia fossem rompidos para receber os detentos de Jaboticabal.
“A Prefeitura foi lá e simplesmente interditou a cadeia. Mas nisso já estava no meio do processo de transferência dos presos. Então, por questão de segurança e porque não fomos devidamente notificados, a gente teve que ignorar a decisão deles e colocar os presos lá mesmo, para discutir posteriormente”, afirmou o delegado Pláucio Fernandes.
Ele explicou que a transferência foi feita de forma emergencial, uma vez que não havia outra unidade para 15 presos serem levados.
Ainda de acordo com Fernandes, a interdição foi arbitrária uma vez que o Estado deveria ter sido notificado sobre a necessidade de adequação. “Eles tinham que apontar o defeito para a gente fazer o reparo, mas eles foram e simplesmente interditaram. Aí não teve jeito”, destacou.
Segundo informações da assessoria da prefeitura, o caso deve ser investigado pela Corregedoria da Polícia Civil.

 

fonte – eptv.com