Notícia da Região
Quem são e como vivem os profissionais de jogos eletrônicos?
Postado em 13/10/2020

Quem são e como vivem os profissionais de jogos eletrônicos?

Olá, eu sou o Iano "iakuhl" de O. Kuhlmann e esse é o seu novo portal de notícias sobre games! Nós do Jornal Cidades viemos para trazer conteúdo de qualidade para todos os públicos. Nessa coluna falaremos sobre o novo (na verdade não tão novo assim) universo dos jogos.

Parte 1 - (13/10/2020): Parte um, alguns clubes/times de jogos, quais as remunerações para os profissionais e clubes e como é a rotina de treinos dos jogadores. Iremos abordar, nessa primeira parte, quais os salários e as premiações que os jogadores profissionais e seus respectivos clubes recebem, como funcionam os treinos e a rotina dos esportistas dessa modalidade e quais são os grandes clubes desses jogos (e acreditem, tem até clubes de futebol que estão investindo nos meninos e meninas dos e-Sports).

Os Clubes

Como prometemos na publicação passada, do dia 29/09 (se você ainda não conferiu, basta clicar aqui mesmo para dar uma olhadinha), existem grandes clubes de futebol brasileiros que investem no cenário dos esportes eletrônicos e falaremos sobre eles nessa nova publicação!

Atualmente, no Brasil diversos clubes de futebol tem investido nos esportes eletrônicos, o Flamengo e o Santos são dois grandes exemplos desses clubes, visto que possuem fortes equipes em diversas modalidades. Porém outros clubes também tem participação no desenvolvimento desse mercado, é o caso do Corinthians, Bragantino, Vasco, Botafogo dentre vários outros.

Existem também os clubes que pertencem exclusivamente aos esportes eletrônicos, como é o caso da paiN Gaming e da INTZ, que são dois dos clubes brasileiros mais tradicionais dentro dos e-Sports, além dos clubes internacionais, como é o caso da Fnatic.

Flamengo (Nacional)

A maior torcida do Futebol brasileiro trouxe milhares de seus torcedores para o mundo dos games, o Flamengo hoje compõe uma das maiores torcidas do League of Legends, tendo conquistado nessa categoria um título de equipe Campeã do CBLoL (segundo Split de 2019) e três vice-campeonatos (segundo Split de 2018, primeiro Split de 2019 e primeiro Split de 2020). Não para por aí, o Flamengo também possui uma equipe forte no Free Fire, estando atualmente na quarta posição da tabela de pontos da terceira etapa da LBFF (Liga Brasileira de Free Fire). Além disso o Flamengo também possui equipe de PES e disputa o CBFDV (Campeonato Brasileiro de Futebol Digital e Virtual).

Santos HotForex (Nacional)

A equipe do Santos, assim como a do Flamengo, também disputou o CBLoL, porém, não conseguiu conquistar nenhum título, até porque é uma equipe mais nova no League of Legends e só disputou um campeonato brasileiro nessa categoria, alcançando a marca de quinto colocado na segunda etapa do CBLoL desse ano, empatado em pontos com a equipe da Prodigy que ficou com a quarta posição (o critério de desempate foi o número de vitórias em confronto direto entre os times, e a Prodigy levou a melhor). O Santos também possui uma lineup de Free Fire e disputa a LBFF, em que atualmente está na primeira posição na tabela de pontos da liga nessa terceira etapa. O "Peixe" também disputa campeonatos dos jogos Rainbow Six Siege, Fifa20 e Counter Strike: GO.

PaiN Gaming (Nacional)

A paiN Gaming, que é um dos clubes brasileiros mais tradicionais dos esportes eletrônicos, fundada em Março de 2010, a paiN possui equipes de: → League of Legends: Com dois títulos de campeã do CBLoL, sendo eles nas edições de 2013 e 2015 na segunda fase; e três títulos de vice campeã, sendo um no primeiro split de 2014, um no segundo de 2017 e o último no segundo split de 2020. → DotA2: Tendo três títulos de campeã da Brasil Game Cup (evento organizado pela BGS), time campeão do Campeonato Brasileiro de DotA2 na sua primeira edição, em 2019. e atualmente é o time favorito para o CBDotA2 de 2020. E outros games como CS:GO, Free Fire e Clash Royale.

Fnatic (Internacional)

A Fnatic é um clube de esports global, fundado em 2004 e com mais de 200 títulos de campeonatos em 30 diferentes jogos. Atualmente a equipe possui um forte elenco nos seguintes jogos: League of Legends (tendo duas line-ups oficiais), CS:GO, DotA2, Rainbow Six Siege, Fortinite, Fifa20 e PUBG mobile. Dentre os mais de 200 títulos, a Fnatic é campeã da primeira edição do campeonato mundial de League of Legends (2011), mais sete títulos de campeã da LEC (League of Legends European Championship) e mais quatro de vice campeã também da LEC.


A rotina de treino dos jogadores

Bem, agora já conhecemos as modalidades, alguns dos clubes que estão por trás desse mercado, vamos conhecer um pouco da rotina dos jogadores. Ser atleta é praticamente um sinônimo de dedicação, de prática e esforço, e é exatamente assim que segue a rotina dos jogadores, durante toda a duração dos campeonatos, os pro-players mantém uma rotina rígida de treinamentos individuais e em equipe, e pra isso contam com uma estrutura que só existe hoje graças aos investimentos que vem sendo feitos ao longo dos anos por cada um dos clubes.

Essa "estrutura" que estamos falando trata-se desde as Gaming Houses com equipamentos de ponta, até a contratação de diversos profissionais, em alguns clubes os jogadores podem contar com nutricionistas, fisioterapeutas e psicólogos. Além dos treinadores e "coach", que vão, em sincronia com o time, estudar tanto as estratégias dos outros times, quanto as respostas que podem dar a cada uma dessas estratégias (alinhando os pontos fortes de cada jogador de suas equipes). Com tudo isso, cada um dos jogadores se dedica cerca de 6 horas diárias em treinamentos.


As premiações e o mercado

O mercado em torno dos e-Sports movimentou só no ano de 2019 cerca de 1,1 bilhões de dólares no mundo inteiro. O Brasil, além de possuir uma das maiores audiências globais, tem sido destaque em alguns campeonatos internacionais, por exemplo no campeonato mundial de FreeFire em 2019 o time do Corinthians saiu campeão, faturando 400 mil dólares. O salário dos jogadores varia, de modalidade para modalidade e de jogador para jogador, mas os contratos no Brasil podem variar de aproximadamente R$3.000,00 até R$20.000,00 por mês (além de participar da premiação em cada um dos campeonatos).


Ficou interessado?! Dia 27/10 a gente vai falar de outra profissão que também tem crescido no ramo dos games e de um projeto super especial que alguns desses profissionais desenvolvem!

.



Jornal Cidades ⓒ Copyright 2020